[GER-BI] 19.1 – Apostila

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

1) Ciclo da Água:

Neste ciclo, a água evaporada dos mares, rios e lagos, forma as nuvens. Depois de condensadas, ocorre a precipitação sob a forma de chuva ou neve, voltando à superfície terrestre. Na superfície, compõe novamente os cursos d’água e pode ser utilizada pelos seres vivos, voltando ao ciclo através da transpiração, respiração, fezes e urina.

 

2) Ciclo do Carbono:

O carbono, presente nas moléculas do gás carbônico (CO2), é utilizado pelas plantas e demais seres autótrofos durante o processo de fotossíntese para a produção de matéria orgâ­nica, que continuamente é assimilado pelos seres vivos nas cadeias alimentares. Quando sofre o processo de oxidação, através da respiração celular, novas moléculas de CO2 são liberadas na atmosfera, podendo ser novamente capturados para a realização de fotossíntese.

Além da respiração celular, a decomposição dessas matérias orgânicas e a queima de combustíveis fósseis também libe­ram CO2 no ambiente, o que pode ser prejudicial quando em excesso, por potencializar o chamado efeito estufa.

 

3) Ciclo do Oxigênio:

O processo de fotossíntese libera o oxigênio para a atmos­fera, onde parte é utilizada pelos seres vivos, enquanto outra parte sofre a ação dos raios ultravioletas e são trans­formados em ozônio.

 

4) Ciclo do Nitrogênio:

Apesar da grande maioria da atmosfera ser composta pelo nitrogênio, a forma gasosa é pouco utilizada pelos seres vivos.

Os animais, consumidores, não conseguem fabricar subs­tâncias orgânicas nitrogenadas, por isso precisam ingeri-las através de alimentos. Já os vegetais, que são os produtores, sintetizam esses compostos utilizando substâncias da fotos­síntese e nutrientes nitrogenados presentes no solo (como nitratos e amônia), graças a ação de decompositores que transforma a matéria orgânica morta em nutrientes aprovei­táveis pelas plantas.

Para que isso ocorra é preciso que ocorram quatro etapas: a primeira delas é a amonização, onde a uréia, ácido úrico e toda a matéria orgânica morta presentes no solo são trans­formadas em amônia, com auxílio de bactérias e fungos decompositores. Em seguida, a nitrificação, que transforma a amônia em nitrato (passando pela etapa de nitrito e depois em nitrato). A etapa seguinte é chamada de desnitrificação, que paralelamente, transforma parte da amônia em nitrogê­nio atmosférico. Por fim, ocorre a fixação, onde o nitrogênio é fixado pelos vegetais com o auxílio de bactérias.

Obs.: Plantas leguminosas associam-se às bactérias Rhizobium que vivem em nódulos em suas raízes, as quais fazem o processo de fixação de nitrogênio, em uma relação de simbiose. Em função dessa característica, é recomendada a rotação de culturas, em monoculturas, com o uso de leguminosas, justamente para se recompor o solo com nitrogênio.