[GER-BI] 14.1 – Apostila

DSTs

Apesar de existirem métodos anticoncepcionais, é importan­te se atentar que eles nem sempre impedem o contágio das doenças sexualmente transmissíveis, chamadas de DSTs. Elas são transmitidas basicamente pelo contato sexual des­protegido (sem o uso de camisinha) com uma pessoa infec­tada, manifestando sob várias formas, que variam de feridas, verrugas, corrimentos e, em casos mais graves, podem levar a morte. No caso das mulheres, quando grávidas, podem infectar o bebê, provocando aborto espontâneo e até mesmo causar lesões graves e irreversíveis ao feto.

Outra forma de transmissão dessas doenças é através de transfusão de sangue contaminado ou compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente no uso de drogas injetáveis.

Dentre as DSTs, destacam-se:

1) AIDS:

Síndrome da imunodeficiência adquirida, é cau­sada pelo vírus HIV, que afeta o sistema imunológico da pes­soa, deixando-a desprotegida contra qualquer agente. Nem todas as pessoas que contraem o vírus HIV desenvolvem a doença, mas o portador assintomático pode transmitir a doença para outras pessoas através do ato sexual despro­tegido, pela recepção de sangue contaminado, pelo uso de seringas ou agulhas contaminadas, de mãe para filho durante a vida uterina ou na hora do parto, ou ainda por transplante de órgãos. Para evitar o contágio, deve se usar a camisinha, não utilizar seringas ou agulhas não esterilizadas.

 

2) Cancro Mole:

Ferida dolorosa que compromete princi­palmente os órgãos sexuais, podendo também manifestar nos lábios, língua e garganta.

 

3) HPV:

Doença também causada por vírus, gerando lesões sob a forma de verrugas, principalmente nos órgãos genitais.

 

4) Gonorréia:

Doença bacteriana, gerando corrimento pela uretra no homem e vagina e/ou uretra na mulher.

 

5) Sífilis:

Doença também bacteriana que afeta todo o organismo, variando o grau de manifestação, desde lesões ulcerosas até cegueira, paralisia e danos cerebrais.

 

6) Clamídia:

DST muito comum e apresenta sintomas pare­cidos com os da gonorréia, como, por exemplo, corrimento e dor ao urinar. As mulheres contaminadas pela clamídia podem não apresentar nenhum sintoma da doença, mas a infecção pode atingir o útero e as trompas, provocando uma grave infecção e problemas durante a gravidez.

 

7) Candidíase:

Doença causada por fungo, causando coceira, ardor e corrimento esbranquiçado.

 

8) Herpes Genital:

Pequenas bolhas localizadas na parte externa da vagina e do pênis. Ao serem coçadas, podem ser rompidas, causando uma ferida.

 

9) Hepatite B:

Infecção viral que acomete o funcionamento do fígado.

 

DROGAS

Por definição, droga é toda e qualquer substância, natural ou sintética que, introduzida no organismo modifica suas funções. Elas podem ser obtidas através do princípio ativo de plantas, animais e até minerais. Também podem ser sintetizadas em laboratório, de maneira artificial. Os efeitos podem ser variados, servindo como analgésicos, estimulan­tes, alucinógenos e tranquilizantes.

As chamadas drogas psicotrópicas afetam o sistema nervoso central, modificando as atividades psíquicas e o comporta­mento, e podem ser administradas por injeção, inalação ou via oral. Remédios, por exemplo, são considerados drogas, e seu uso indevido ou excessivo pode provocar efeitos que vão além do tratamento de males e doenças.

Cigarros e bebidas alcoólicas também são drogas, embora seu uso não seja proibido por lei – mesmo podendo pro­vocar muitos danos ao organismo e também à sociedade. Assim, como disse o médico e físico do século XVI, Para Cel­so, “a diferença entre um remédio e um veneno está só na dosagem”. Hoje, o grande problema, tratado por alguns como uma verdadeira epidemia, é uso das drogas ilícitas, como a maconha, crack, heroína e ecstasy.