[GER-BI] 20.1 – Apostila

POLUIÇÃO

Por definição, poluição é uma alteração ecológica provocada pela liberação de resíduos derivados da atividade humana. O crescimento exponencial da espécie humana, e consequente exploração de novos ambientes e utilização dos recursos naturais, trouxe efeitos significativos no planeta, principal­mente a partir da Revolução Industrial, no século XVIII. São vários os tipos de poluição que afetam o planeta:

1) Poluição Atmosférica:

A poluição atmosférica é ocasionada principalmente pelo efeito da queima de combustíveis fósseis, que liberam material particulado e gases tóxicos. O agravante disso é que a camada do efeito estufa, essencial à vida na Terra, está se tornando cada vez maior, elevando consideravelmente a temperatura do planeta.

Paralelamente, o fenômeno da chuva ácida também é grave, uma vez que os óxidos de nitrogênio e de enxofre, liberados na queima de combustíveis, reagem com a água atmosférica formando ácido sulfúrico, ácido sulfuroso e ácido nítrico, além do ácido carbônico. Esses se precipitam acidificando o ambiente (solo e água), além de matar árvores e danificar monumentos nas cidades.

A inversão térmica também é frequentemente observada durante o inverno. Esse fenômeno consiste da não dispersão dos poluentes devido ao ar frio que não sobre e fica rente ao solo, concentrando a poluição.

 

2) Poluição do Solo:

O solo pode ser afetado de várias maneiras, desde o desma­tamento que o expõe à erosão, até o manejo inadequado na agricultura e mineração, fazendo-o perder sua fertilidade. Uma vez exposto, a chuva carrega seus nutrientes, deixan­do-o empobrecido. Além disso, cursos d’água podem sofre assoreamento e até mesmo a eutrofização.

O processo de desertificação também é recorrente nesses ambientes, já que o solo descoberto não consegue reter água e é facilmente evaporada pela alta temperatura. As reservas profundas de água abaixo do solo, por ação da capilaridade, sobem e trazem o excesso de sais que tornam-se tóxicos para o desenvolvimento das plantas.

A própria monocultura é prejudicial pelo esgotamento do solo, o que obriga o uso de fertilizantes que são levados aos cursos d´’agua. Concomitantemente, nessas áreas que foram desmatadas, a fauna é prejudicada, e favorece-se a surgimen­to de “pragas” devido a fartura de alimento, o que faz entrar em outro ciclo vicioso e perigoso: agrotóxicos.

Por fim, o lixo, que é todo resíduo industrial, hospitalar e residencial e que carece de cuidado para que não ocorra um alto grau de contaminação ambiental. Parte dele pode ser reciclado ou reutilizado (matéria orgânica).

 

3) Poluição das Águas:

Conforme já tratado anteriormente, as principais poluições relacionadas a água dizem respeito aos processo de acidifi­cação e eutrofização. Neste último, os adubos e fertilizantes, e até mesmo o esgoto das cidades, que são despejados ou carregados pela chuva até os cursos d’água, aumentando a quantidade de matéria orgânica. Consequentemente, os decompositores aeróbicos também se elevam, diminuindo a quantidade de oxigênio na água. Com isso, cria-se uma camada espessa sobre a água, impedindo a penetração da luz solar, ocasionando a mortalidade de algas das camadas inferiores. Assim, aumenta-se ainda mais a quantidade de matéria orgânica para ser decomposta e o consumo de oxigênio desse ambiente aquático, sendo cada vez maior, é exaurido e os peixes morrem asfixiados.